Notícias sobre Arnis - Kali - Eskrima no Brasil e no Mundo

Post Top Ad

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

13:15

Entrevista com o Guro Nicolás Wachsmann





Olá pessoal! Hoje teremos a honra de apresentar mais uma entrevista internacional. Dessa vez o nosso convidado é guro Nicolás Wachsmann, responsável pelo Pekiti Tirsia e pelos Dog Brothers na Argentina. Por opção, deixamos a entrevista em seu idioma original, espanhol.

1- Olá Guro Nicolás, obrigado por aceitar o convite para o nosso blog. Você podería nos falar um pouco sobre você e o seu começo com as artes marciais?

Comencé a los 12 años de edad con judo, un arte que me sigue resultando sumamente interesante. Buscando una aproximación más global al combate fui explorando otras artes hasta que encontré el Kali. De todas maneras sigo explorando, actualmente además del Kali y dentro de mis posibilidades entreno Brazilian Jiu Jitsu y Muay Thai.

2- E seu início com as Artes Marciais Filipinas (FMA)? Como foi o seu início e o que despertou o seu interesse nessa modalidade?

Como te planteaba en la pregunta anterior mi búsqueda pasaba, y lo sigue haciendo, por dos carriles: por un lado la efectividad, es decir practicar técnicas que realmente se puedan aplicar en tiempo real y contra un oponente que se resiste, nunca fui fanático de las formas, katas, etc, ni tampoco de las demostraciones coreográficas; y por otro lado mi búsqueda tenía que ver con que el entrenamiento fuera lo más completo posible, es decir que abarcara todas las distancias de un combate. En el Kali pude comenzar a encontrar parte de esa respuesta.

3- Hoje você é representante do Grand Tuhon Leo Gaje Jr. na Argentina, certo? Como foi a sua aproximação com o Pekiti Tirsia Kali?

Sí, soy estudiante personal del Maestro Leo Gaje y su representante en Argentina

Desde que empecé con el Kali, el grupo Dog Brothers y sus peleas con palos a contacto pleno fue una referencia para mí, investigando los estilos que ellos practicaban descubrí que el mejor de sus luchadores, Eric Knaus, era estudiante del maestro Leo gaje y su estilo de base era Pekiti Tirsia, a partir de ahí comencé a indagar más sobre el sistema, me puse en contacto con el maestro Gaje hasta que finalmente decidí viajar a Filipinas.

En este sistema descubrí uno de los más completos y sobre todo de los pocos estilos que todavía mantienen el nexo con los orígenes del Kali, es decir el entrenamiento para un combate con armas de filo. Mantener este concepto como eje de la práctica es lo que luego condiciona todo el entrenamiento y la mentalidad para el combate, si pensás en enfrentarte con armas de filo tenés que hacer mucho hincapié en los desplazamientos y mantener el objetivo de atacar y contraatacar en lugar de pensar en defenderte y en bloquear. Estos aspectos son los que más me atrajeron.

A partir de conocerlo a Leo Gaje en persona y entrenar con él pude además descubrir en este maestro una gran capacidad para adaptar el entrenamiento a cada persona, tiene una gran habilidad para descubrir tus puntos fuertes y débiles. Trabaja su capacitación basándose en las cosas que son naturales en cada uno y a partir de ahí te ayuda a desarrollarte como luchador. Si bien este sistema tiene una estructura común que lo distingue, no es una fórmula rígida que deben seguir todos por igual, la idea no es producir clones, todo lo contrario, el objetivo es comprender y asimilar principios, estrategias y tácticas que resultan efectivas, para luego cada uno desarrollar su propia expresión del sistema.

Desde mi punto de vista y principalmente a partir de la experiencia con Gaje, lo más importante es el individuo con sus propias características. Por eso creo que la mejor manera de aprender y desarrollarte dentro de este sistema de Kali es entrenando en forma individual, es muy difícil descubrir las debilidades y fortalezas de un estudiante si los entrenamientos son masivos.

4- Além disso, você também é representante dos Dog Brothers na Argentina. Como foi a sua aproximação com eles?

Sí, soy Group Leader y representante de Dog Brothers Martial Arts para Argentina.

Creo que este grupo con su filosofía de “Una conciencia más alta a través de un contacto más duro” ha recuperado lo mejor del espíritu de combate del Kali y las artes marciales filipinas, aspecto que en muchos casos se había comenzado a perder.

El otro punto que creo muy interesante de la filosofía en DBMA y de los Gatherings (los encuentros de peleas que organizan anualmente) es que las peleas, que son muy extremas, no se disputan por dinero, ni por un trofeo o una medalla, si no simplemente para mejorar y para aprender, ni siquiera hay un ganador o un perdedor. Por otro lado la idea de ser “amigos al final del día” con nuestro circunstancial oponente implica un desafío muy grande para poder manejar nuestro autocontrol como luchadores.

En el 2008 tuve la oportunidad de organizar un seminario con Guro Marc Denny en la Argentina, además de ser realmente enriquecedor participar de este seminario y luego del entrenamiento personal con él, una de las cosas que más me llamaron la atención es su capacidad para analizar peleas y luchadores, a partir de ahí sus sugerencias y orientaciones en cuanto a estrategias y necesidades de cada uno son de una gran ayuda, porque sus sugerencias no son teóricas sino que las plantea a partir de su enorme experiencia, no solo como luchador, si no como entrenador de otro luchadores.

5- Em seu site, você oferece aos leitores um belo relato de sua viagem as Filipinas. Você considera um passo importante para o praticante de FMA conhecer a terra natal de sua arte? Por que?

Creo que es algo que enriquece a cualquier practicante, no es algo imprescindible, pero sí nos ayuda a comprender mejor los orígenes y la idiosincrasia de los pueblos que crearon a lo largo de las décadas el arte que entrenamos.

En el caso de las artes de combate filipinas sin lugar a dudas ayuda mucho conocer el país que fue cuna de este arte, recorrerlo, conversar e intercambiar experiencias con la gente local, entre otras cosas, nos permite ver más allá de lo que podemos entender solo a través de Internet, videos o la televisión. Creo que Internet es un fantástico medio de comunicación, pero hay una realidad más allá de Internet que es mucho más rica y profunda, viajar por el país en donde nació nuestro arte es una gran experiencia, sintiendo el pulso cotidiano de la vida de esas culturas terminamos de entender muchas cosas que sentados mirando un video en Internet no lo lograríamos nunca.


6- Sobre o seu livro, Kali Filipino, Sus Orígenes Y Conceptos Fundamentales, qual foi a sua inspiração e meta ao escrever o mesmo?

Surgió en su momento la oportunidad de publicar un libro sobre Kali y la verdad es que lamentablemente la bibliografía en español sobre este tema es muy poca, lo que hay está en su mayoría referido a la parte técnica.

Mi propósito con esta primera publicación fue poder profundizar un poco más en los aspectos históricos, sociales y culturales de las artes de combate filipinas. Con este primer libro mi idea era no quedarme solo con la faceta “marcial” de estos estilos sino comenzar a mostrar aspectos que, por lo menos a mí como sociólogo, me interesan mucho como por ejemplo las raíces de los fenómenos culturales, y como entiendo al Kali/Escrima como una genuina expresión cultural del pueblo filipino, me resulta fascinante poder indagar en los orígenes de este fenómeno y todo el proceso que lo fue transformando en un arte tan particular.

7- Qual a sua visão do FMA hoje na Argentina? E na América Latina?

Creo que en la Argentina las artes de combate filipinas están recién en sus comienzos, soy de la opinión de que este tipo de artes nunca van a ser tan masivas como el Taekwondo o el Karate.

Actualmente hay mucha más gente que sabe de qué se trata el Kali/ Escrima/Arnis o escuchó mencionar el nombre, pero la realidad es que la cantidad de practicantes es muy poca.

El otro punto que veo y me parece importante resaltar también es que hay una confusión bastante grande sobre lo que realmente es el Kali. Cada uno puede tener su propia opinión, pero desde mi punto de vista y por lo que pude ver en Filipinas el Kali no es una suma de ejercicios intrincados y vistosos, el Kali/escrima es esencialmente un método de entrenamiento que debe ayudar a cada practicante a desarrollar sus habilidades como luchador en el menor tiempo posible y le debe permitir aplicar de manera efectiva las técnicas que aprende en un enfrentamiento con armas.

Por eso cuando hablamos de la situación de las AMF la masividad, desde mi punto de vista, no puede ser el único aspecto a tener en cuenta, ni tampoco el más importante, sino principalmente la calidad con la que se enseña y se practica. En este sentido la efectividad para mí es un elemento fundamental cuando hablamos de calidad. En mi opinión tener un nivel avanzado de habilidad no es equivalente a poder realizar intrincados ejercicios preestablecidos con un compañero que coopera, algo absolutamente coreografiado, que nos puede servir para una exhibición pero no necesariamente para luchar, un combate es algo caótico y no se puede prever; la verdadera habilidad pasa por poder aplicar las técnicas y movimientos de nuestro arte bajo presión, en una situación de adrenalina, o de sparring en donde nuestro adversario no coopera y tiene además toda la intención de aplicar sus técnicas contra nosotros. Estoy convencido que durante nuestra práctica la prioridad debe ser la efectividad y la funcionalidad del arte y luego la forma o lo vistoso. Cuando vemos a grandes maestros del Kali que son experimentados luchadores, podemos apreciar en sus peleas efectividad y mucha belleza al mismo tiempo, en este momento me vienen a la mente los nombres de Antonio Ilustrísimo o Eric Knaus como claros ejemplos, pero hay muchos más. Esta belleza o gracia en los movimientos de estos luchadores no tiene nada que ver con algo coreográfico, sino con un elevadísimo nivel de dominio de su arte, pero este dominio lo han ido logrando a lo largo de toda una historia de experiencia en peleas, en horas y horas de sparring. En lo personal estoy haciendo esfuerzos por difundir las artes de combate filipinas en Argentina siendo coherente con esta concepción.

Volviendo al eje de tu pregunta, la verdad que no tengo demasiada información de primera mano del resto de Latinoamérica, por lo poco que conozco creo que la realidad es similar a la Argentina.

8- Diferente de outras modalidades mais "centralizadas", o FMA hoje é composto por escolas isoladas. Algumas que se reconhecem. Outras que preferem o isolamento. Qual a sua opinião sobre o assunto?

La diversidad de estilos, escuelas y sistemas es tan grande como la cantidad de maestros que se puedan encontrar en el archipiélago filipino, que está formado por más de siete mil islas, esta diversidad es un componente básico de la cultura y la identidad filipinas, negarlo sería absurdo, creo que la cantidad de escuelas y la no centralización tiene que ver con esta realidad. La verdad es que la diferencia entre algunos estilos es enorme y francamente sería muy difícil unificar criterios comunes, en algunos casos pareciera que vemos dos artes marciales diferentes.

Hay que tener muy en cuenta que los términos Kali, Escrima o Arnis son términos muy genéricos, por eso afirmar que practicamos AMF es algo un tanto abstracto, en este momento creo que intentar unificar esta enorme variedad de estilos equivaldría a mutilar aspectos importantes, tanto técnicos como conceptuales de cada escuela y eso redundaría en un empobrecimiento de las artes. Quizás en un futuro se pueda lograr un corpus común de principios universales para el combate con armas de filo y de impacto sin necesidad de identificarnos con una escuela o estilo en particular, pero por el momento no veo esto como una posibilidad concreta.

9- Qual a sua opinião sobre a relação entre o FMA e auto-proteção e defesa pessoal?

Las artes de combate filipinas aportan el realismo del entrenamiento con las armas de filo y de impacto, que en un enfrentamiento en la calle están siempre presentes.

De todas maneras es importante distinguir que el Kali originalmente está hecho para la guerra entre tribus o contra el conquistador y no específicamente para la defensa personal como actualmente la entendemos. Con esto quiero decir que la mentalidad es la de ir a una guerra en la que nuestro grupo y los adversarios nos vamos a enfrentar todos con armas, nadie va a una guerra sin armas, mucha gente se acerca al Kali buscando técnicas efectivas para defenderse contra un ataque de cuchillo, pero lamentablemente esto no existe, ninguna persona con sentido común va a enfrentarse a alguien con cuchillo con sus manos vacías, los filipinos tampoco, lo que aporta el entrenamiento con armas, como el cuchillo, es la comprensión más profunda de todo lo que puede hacer un cuchillo y principalmente aporta el sentido común, es decir que lo más sensato ante un ataque con cuchillo es escapar o utilizar algún objeto como arma para protegernos, pero las personas (y son muchas) que alegremente hacen un poco más de dinero vendiendo super técnicas contra ataques con cuchillo me perecen muy irresponsables. Por otro lado tampoco coincido con publicitar nuestro arte basándonos en el miedo a la inseguridad o desarrollando el llamado “instinto asesino”, promocionar lo que uno hace disfrazándose de Rambo y jactarse de todo el daño que se le puede hacer a otra persona con un cuchillo me parece lamentable y bastante infantil.

Tuve la oportunidad de conversar con personas en Filipinas que pasaron por la experiencia real de enfrentarse con adversarios con armas de filo y te puedo asegurar que ninguna de estas personas se vanagloria de lo que hizo y ninguna olvida esa experiencia, pero sobre todo no quieren volver a pasar por eso. Es más, tuve la oportunidad de conversar luego del entrenamiento con miembros de elite de los Marines (Force Recon Marines) en Filipinas que se han enfrentado en peleas con machetes en la selva del sur del archipiélago en el contexto del conflicto armado que se desarrolla en esa región, muchos de ellos han quedado con profundas cicatrices, no solo físicas sino principalmente emocionales y psicológicas. Creo que tenemos que ser sumamente cautelosos al enseñar técnicas con cuchillo y con armas de filo y más aún si decimos que son para la defensa personal.

10- Muito obrigado por suas respostas! Gostaria de deixar uma mensagem para os nossos leitores?

Simplemente agradecerte por darme esta oportunidad de compartir con ustedes algo de mi visión sobre el Kali y por ayudar a difundir estas artes maravillosas que tanto nos apasionan.

Si les interesa comunicarse conmigo o leer algo más sobre estos temas en español pueden ingresar a estas páginas Web: www.pekititirsia-la.com y www.dogbrothers.com.ar


terça-feira, 11 de janeiro de 2011

13:13

Entrevista com o MasGuro Dennis Ocampo



1 - Olá Mestre! Obrigado por nos conceder esta entrevista. Poderíamos começar com você contando um pouco sobre o seu começo com as artes marciais? 
Minha carreira nas artes marciais começou em 1995 quando eu conheci Mas Guro Greg Alland, fundador do sistema de Kali SinaTirsiawali. Desde então eu tenho treinado com ele e aprendendo as habilidades de defesa pessoal e proteção que ele tem a ensinar.

2 - E como foi seu primeiro contato com o FMA?
Meu primeiro contato com ele foi quando um amigo meu, na Califórnia, me falou sobre um artista marcial muito hábil em FMA que vivia na minha área.

3 - Quanto ao Alland Mestre, como vocês se conheceram?
Certa vez esse meu amigo me falou sobre o Mas Guru Greg Alland, eu liguei pra ele e agendei um encontro. Nós nos conhecemos em uma tarde e ele compartilhou comigo seu sistema e suas habilidades. Eu fiquei verdadeiramente impressionado com o que vi e senti. Ele pegou minha arma em cada oportunidade que ele teve e usou isso contra mim. Ele literalmente a todo o momento tomava o bastão de minha mão, sem que eu nada pudesse fazer contra ele. Ele então compartilhou comigo todas as habilidades com a arma de impacto, a lâmina, e mãos vazias e de lá eu fui "capturado" pelo sistema. Desde então ele nunca mais conseguiu se livrar de mim (risos).

4 - O que é a escola "Sina Tirsia Wali" para você
 A lição mais importante que esse sistema tem me ensinado é que em primeiro lugar você deve aprender a se proteger. Mas Guru Greg Alland sempre disse, "qualquer um pode bater, poucos conseguem proteger".

5 - Muitas escolas têm adotado faixas coloridas, influência dos costumes japoneses, para medir o progresso do aluno. Na sua escola é diferente. Qual o método que você usar para verificar esse progresso?
Para verificar meus alunos, sempre se refiro ao currículo do SinaTirsiaWali. Como professor, você sempre supor que os alunos não praticam o que aprendem. Assim, eles têm que provar a mim que eles vêm praticando o que estão aprendendo na sala de aula. Se eu sinto que eles têm praticado, eu então avanço para o próximo item do currículo. A habilidade de estudantes e sua compreensão do sistema é que irá me dizer qual o seu nível de progressão.

6 - Hoje você comanda vários grupos de FMA pelos EUA. Como elas funcionam?
Eu mantenho contato com eles semanalmente, para garantir que seus alunos estão a seguir o currículo de Kali do SinaTirsiaWali.

7 - Em seu site, existem diversas oportunidades de formação. Como elas funcionam?
Tenho vídeos de treinamento oficial SinaTirsiaWali Kali, que mostram o currículo ensinado a todos os alunos. Os alunos de diferentes pontos dos EUA compram esses vídeos e aprendem o sistema. Além disso, eles têm a oportunidade de aprender por meio de tutoriais instrucionais. Isso é conhecido como SITE (SinaTirsiaWali Instrucional Training Enhancement) Os estudantes me enviam e-mails com dúvidas, ou vídeos para que eu possa criticar e avaliar, para então lhe dar dicas de como melhorar seu treinamento.
8 - Quais são os seus pontos de vista sobre a relação entre Kali e defesa pessoal?
Como em TODAS as artes marciais filipinas, sinto Kali é a arte de rua mais eficaz orientada para mundo real. Devido à origem dos sistemas, é considerada uma forma eficaz de defender a si mesmo. Formas e Katas são raros nesse tipo de sistemas marcias, exceto se forem utilizados em competições esportivas. Todas as habilidades nas artes marciais filipinas são projetadas para a eficácia da proteção na rua. Realidade, funcionalidade e realismo no treinamento das artes marciais filipinas é o que nos separa de outras artes marciais tradicionais.

9 - Quantas vezes você esteve no Brasil. Como foram suas experiências no nosso país?
Fui para o Brasil quatro vezes e em cada uma delas eu vi que os estudantes de Kali do SinaTirsiaWali vem evoluindo tremendamente. Minhas experiências foram ao mesmo tempo divertidas e esclarecedoras. Eu aprendi a cultura do Brasil e, ao mesmo tempo, compartilhei minhas experiências com vários alunos dedicados.

10 - Qual sua opinião sobre os praticantes de Kali aqui no Brasil?
Todos os alunos que tive contato eram extremamente habilidosos. Eu entendo que os alunos aprendem os vários sistemas de outras escolas de FMA, o que é ótimo. Quanto mais ferramentas você tiver, melhor. A única coisa que importa é "Posso parar você, você pode me parar.... Não importa o que aconteça" Não é a habilidade do aluno que determina se ele sobrevive na rua e sim sua determinação em usar suas habilidades conforme a situação. Isso é o que realmente importa.
11 - Obrigado pela sua entrevista, você poderia enviar uma mensagem aos nossos leitores?
Não, obrigado a vocês! Foi uma alegria ler e responder suas perguntas. Quando eu lhes enviar minhas newsletters SinaTirsiaWali Kali, favor encaminhe as para outros, que possam querer vir a querer conhecer o sistema de defesa pessoal do Kali Sina Tirsia Wali.
13:10

Entrevista com o Sensei Ricardo Nakayama

Olá Pessoal! Nossa entrevista hoje é com o Sensei Ricardo Nakayama.


1 – Olá Sensei Ricardo! Muito obrigado por nos conceder essa entrevista! Você poderia nos falar um pouco sobre você? Resp: Hoje me dedico ao estudo e ensino de defesa pessoal e técnicas de segurança. Estou ministrando diversos treinamentos em grandes empresas, instituições do governo federal e órgãos de segurança pública.

2 – Antes de conversarmos sobre o FMA, você poderia nos falar um pouco sobre as antigas relações entre a sua família e o Karate?
Resp: É uma pergunta interessante. O Karatê foi minha primeira arte marcial, sendo sincero, uma criança não leva muito a sério o treinamento, dos 4 aos 8 anos levava a coisa na brincadeira. 8 anos... Estava em um parque infantil e fui cercado por 3 garotos que resolveram brigar comigo e graças ao Karatê me defendi deles. Foi através deste episódio que comecei a levar a sério as artes marciais. Em 2011 completei 45 anos, comecei a treinar com 4 anos de idade por influência do meu pai (que amava as artes marciais e era faixa-preta 6º Dan de Karatê). Um detalhe interessante, meu pai antes de casar com minha mãe avisou que se não tivesse um filho homem (para continuar a tradição da família) iria se separar. Ele era um homem com seus princípios e seguia rígidas tradições. Talvez por isto mesmo, não tenha continuado no Karatê, sempre comento com meus amigos que fiquei mais de 10 anos na faixa-marrom, já que meu pai só permitiu que pegasse a faixa-preta ao completar 18 anos. Nesta época da marrom, por achar que já sabia tudo do Karatê (quando somos jovens pensamos essas besteiras), me interessei por outras artes marciais na busca por novos conhecimentos.

3 – Além do Karatê, você também chegou a estudar outras modalidades, correto? Quais foram e como foi esse estudo?
Resp: Acredito que não há melhor arte marcial e sim o lutador melhor preparado. Já treinei mais de 30 modalidades diferentes e sou faixa-preta em 8 artes marciais. A maior graduação que recebi foi o 5º Dan e a mais recente faixa-preta foi de Arnis/Kali Maharlika.

4 – Sobre o FMA, as Artes Marciais das Filipinas, como foi que você conhecer e como foi a sua aproximação com elas?
Resp: Eu conheci as artes marciais filipinas através do Bruce Lee. No filme Operação Dragão, há uma sequência em que o personagem do Bruce utiliza dois bastões. Foi neste momento que me apaixonei pela FMA. Na minha juventude, não tínhamos fácil acesso a livros e vídeos de artes marciais importados. No mercado nacional, as poucas obras sobre o tema eram publicadas pela Ediouro. Neste tempo, assistimos o seriado “Kung Fu” do David Carradine e aos filmes de artes marciais passavam na “Poltrona R”. Demorou anos até descobrir que aquilo não era realmente nativo do Kung Fu. No Brasil na minha adoslecência, não tínhamos divulgação das artes marciais filipinas, tão pouco pessoas que ministrassem aulas de FMA. Meu primeiro seminário sobre o assunto foi através do Paulo Albuquerque. Ele organizou um seminário com os alemães (Hans e Andreas), que seguiam a linhagem Latosa Escrima. Após o seminário, fiquei amigo do Paulo e continuamos a conversar durante algumas horas sobre as artes marciais filipinas. Aproveito para agradecer o empenho do Paulo Albuquerque pelo seu esforço na divulgação das artes marciais filipinas no Brasil.

5 - E sua aproximação com o mestre Herbert Inocalla? Como foi?
Resp: Desenvolvi meu próprio sistema de defesa e combate com facas. Meu representante no DF, Maurício, me perguntou o que eu achava dele treinar outras artes, especificamente com o Dada (apelido pelo qual é mais conhecido pelos seus alunos). Eu o incentivei a fazer isto. O Maurício organizou diversos seminários para mim em Brasília, sempre utilizando a academia do Mestre Dada para realizar os treinamentos. Foi natural nossa aproximação, neste contexto. Já mencionei anteriormente que devemos procurar novos conhecimentos e não há problema nenhum em um faixa-preta colocar uma faixa-branca na cintura novamente. Talvez por este motivo não gosto do termo “Mestre”. Atualmente neste nome caiu em uma vala comum, é muito fácil colocar (ou comprar) um título. Muitos evocam este termo e dizem: Não luto, se não mato. Minha arte é a melhor, a mais completa. Sentam em suas cadeiras, fogem dos treinamentos, colocam seus alunos para darem aulas e se dizem invencíveis. O verdadeiro mestre não se prova por suas habilidades e sim pela qualidade de seus alunos. A toda regra existe uma exceção. O “Mestre Dada” é uma das poucas pessoas que merecem este título, não apenas por seu conhecimento e habilidade, mas principalmente pelo ser humano que é.

6 – O Karate é uma arte modalidade muito popular nas Filipinas. O próprio mestre Inocalla foi praticante desta arte marcial durante muitos anos. Como você enxerga a relação entre a FMA e o Karate?
Resp: As artes marciais filipinas não são exclusivistas, complementam a outras modalidades e podem ser completadas por elas. Um lutador deve almejar ser o mais completo possível. Veja o Karate (mãos vazias), não utiliza na maioria dos estilos praticados no Brasil, qualquer tipo de armas. O Karate tem diversos conceitos interessantes que podem ser agregados ao treinamentos das FMA.

7 – Sobre Defesa Pessoal, o que você pensa sobre a relação desta com a FMA?
Resp: Ensino que a melhor defesa pessoal é a prevenção. O ideal é evitar as situações de risco, mudando pequenos hábitos, adotando regras de segurança e se preparando para antecipar e evitar o perigo. É impossível eliminar totalmente o risco, mesmo adotando uma atitude preventiva, eventualmente podemos nos distrair e nos tornar vítimas da violência. Os esportes de luta em geral são técnicas de reação, que são extremamente úteis quando falha a prevenção, desde que o foco tenha o direcionamento correto e haja a devida preparação psicológica para reagir. A arte marcial filipina, no contexto da defesa pessoal agrega conceitos simples, de fácil assimilação, retenção e aplicação em situações reais. Um grande diferencial das artes filipinas, é o uso de armas que são equalizadores. Suas técnicas se adaptam facilmente a qualquer pessoa, independente do sexo, idade, porte e limitações físicas.

8 – Hoje você é representante da Academia Magka-Isa em São Paulo. Como é hoje o FMA na cidade e no estado, e quais os planos para 2011? Resp: Na Capital há poucas pessoas ensinando. Em minha academia temos um grupo de aproximadamente 20 pessoas praticando. No Grupo de Operações Especiais da policia civil, mais 30 praticantes. Tenho alguns alunos ensinando em Moema, Santana de Parnaíba e Ribeirão Preto. Há também a linha do Kali Silat, com instrutores na Capital, Osasco e região de Bauru. Peço desculpas, caso tenha esquecido outras linhagens e instrutores.

9 - Seus ebooks sobre facas, tonfas e armas improvisadas são bem populares na internet. É possível encontrar neles certas referências ao FMA. Como foi a idéia de criar essa material? Há planos para o lançamento de novos livros no futuro?
Resp: Percebi que há uma lacuna em relação a materiais de estudo sobre artes marciais e defesa pessoal, principalmente destinado aos profissionais de segurança pública que não tem condições de investir do próprio bolso para seu aperfeiçoamente. Estes ebooks e apostilas foram lançados com este proposito. Minha idéia inicial era publicar um livro por mês, mas pessoas inescrupulosas começaram a vender na internet (e ainda são vendidos), aquilo que deveria ser distribuido gratuitamente. A desilusão foi grande, mas a recompensa foi maior ainda. Dezenas de instrutores de defesa pessoal de vários grupos policiais no Brasil utilizaram ou utilizam os meus ebooks em seus treinamentos. Foi uma grata surpresa quando eu visitei a Academia Nacional de Policia (ANP) e o responsável pela área treinamento de defesa pessoal da policia federal me mostrou algumas páginas da minha apostila nas paredes do ginásio que utilizam para as aulas. Da mesma forma, fiquei surpreso ao conversar com um ex-combatente das forças especiais israelenseas que me disse que minha apostila de combate com facas é usada como material de referência em Israel. Quanto ao lançamento de outros livros no futuro, eu já tenho pronto várias obras que só estão disponiveis para os nossos alunos, devido aos problemas anteriormente relatados.

10 - Muito obrigado pela entrevista! Você gostaria de deixar uma mensagem para os nossos leitores?
Resp: Gostaria de agradecer o convite para esta entrevista e parabenizar pela iniciativa do blog que está ajudando muito a difundir a arte marcial filipina no Brasil. Aos leitores que já mostraram interesse ao ler o blog, começem a praticar, com certeza se apaixonarão pelas FMA como eu me apaixonei. Devemos aprender todos os dias através de nossos pensamentos, experiências e práticas.

13:09

Entrevista com o Guro Maurício Viegas

Olá pessoal! Hoje estamos postando uma entrevista realizada com o Guro Maurício Viegas, da escola Arnis Kali Maharlika. Guro Mauricio é faixa-preta em FMA, aluno direto do mestre "Dada" Inocalla, e autor do livro que conta a história da sua escola.

1- Olá Guro Maurício, Muito obrigado por nos conceder essa entrevista! Você poderia nos falar um pouco sobre você?

Olá Tales!Nasci no Rio de Janeiro, cidade maravilhosa, onde passei toda a minha infância.Mudei para Brasília aos 14 anos de idade.Hoje sou Bacharel em Direito e Agente de Segurança do Poder Judiciário da União.Ministro treinamentos na área de Segurança e Inteligência para profissionais de diversas instituições, em vários estados do Brasil.

2- Nos conte como foi o seu início com as Artes Marciais?

Comecei a praticar ainda no Rio de Janeiro.Recentemente, folheando um ábum antigo, encontrei uma foto onde minha mãe colocava em minha cintura uma faixa amarela de Judô. Eu devia ter uns 7 ou 8 anos de idade... Ainda na infância também treinei Karatê, Jiu-Jitsu e Kung Fu.Mais tarde, já em Brasília, treinei Aikidô com o professor Carlos Vilablanca (Instituto Bodhidharma) e Capoeira com o mestre Polêmico (Grupo Meia Lua). Também sou praticante de Tiro desde 2001.

3- Como foi sua aproximação com o FMA?

Tales, vou precisar recuar um pouco no tempo... Quando eu ainda era garoto, no Rio de Janeiro, fui escoteiro por alguns anos. Lembro-me que na antiga carteira da UEB (União dos Escoteiros do Brasil) havia uma pequena menção nos autorizando a portar facas em todo o território nacional. Ostentávamos as nossas lâminas com orgulho na cintura, durante as caminhadas e acampamentos que fazíamos. Nessa mesma época ganhei a minha primeira faca, a qual foi forjada por meu avô, que era sertanejo e caçador.Em 1999, já em Brasília, me voluntariei para a Cruz Vermelha Brasileira – Filial Brasília, a qual, àquela época, era sediada no Departamento de Saúde da UnB.Em razão de minha experiência como voluntário da Cruz Vermelha, consegui uma vaga para participar, em março de 2000, do Estágio de Sobrevivência na Selva do CIGS (Centro de Instrução de Guerra na Selva), unidade de elite do Exército Brasileiro, situada em Manaus.Neste curso tive a oportunidade de observar, durante uma demonstração informal, algumas técnicas de uso da faca para o silenciamento de sentinelas. Voltei para Brasília com outra visão sobre o emprego da faca, e quis aprender tudo o que fosse possível sobre o manejo dessa ferramenta.Até esse momento, vale dizer, eu não tinha a menor idéia do que fosse FMA.Salvo engano no ano seguinte, em 2001, fiquei sabendo que seria promovido o primeiro Salão de Cutelaria de Brasília, no Hotel Nacional, e que, neste curso, haveria uma oficina de Combate com Facas, ministrada pelo Sensei Ricardo Nakayama. Obviamente, participei do evento e, desde então, tornei-me praticante do MSD – Método Sotai de Defesa.Algum tempo depois, já ciente de que existiam algumas Artes Marciais, oriundas das Filipinas, que se destacavam no emprego de facas e outras armas em combate, passei a pesquisá-las de forma mais específica, e descobri que aqui mesmo em Brasília havia uma academia, fundada por um Filipino, que ensinava essas técnicas aos seus alunos...Foi desse modo que me aproximei das Artes Marciais Filipinas e do mestre Dada Inocalla.

4- Sua aproximação com o mestre Inocalla, como aconteceu?

Bem, acho que essa pergunta foi respondida no item anterior.Contudo, é importante dizer que com o mestre Inocalla aprendi muito mais do que as conhecidas técnicas filipinas de combate. Aprendi um modo diferente de ver o mundo, a vida e as pessoas.O mestre Inocalla, também conhecido como “Dada” por seus alunos e amigos, foi monge durante muitos anos, e até hoje aplica em sua vida os princípios milenares da Filosofia Taoísta.Lembro-me de uma vez em que estávamos, eu e o Dada, fazendo uma apresentação de Arnis para um canal de TV. O apresentador, visivelmente espantado com a quantidade de vezes em que fui projetado ao solo, comentou: “Parece que nessa modalidade é muito importante que os praticantes saibam cair, não é mesmo?”, ao que o Dada prontamente respondeu: “Sim, é verdade. Deve saber cair, e deve saber levantar.”Talvez o apresentador não tenha percebido, mas ele acabara de dar uma grande lição de Taoísmo...

5- Além do Arnis Maharlika, você também é instrutor do SOTAI. Como ambas disciplinas se complementam?

Interessante essa pergunta.Em primeiro lugar, embora treine tanto o combate armado quanto o combate desarmado, a filosofia da SOTAI fundamenta-se no uso de armas em combate. As armas são equalizadores, ou seja, nivelam o lutador mais fraco ao lutador mais forte.Acredito que muitos se lembrem do caso de um famoso lutador que, ao tentar roubar uma moto, foi impedido pelo motociclista que usou o próprio capacete para se defender... Essa é a idéia.Como as Artes Marciais Filipinas também enfatizam o uso de armas, a associação me parece inevitável.Existem outros pontos de contato, mais sutis. Como você sabe, as Artes Marciais Filipinas nasceram da necessidade de sobrevivência de um povo, ante à dominação estrangeira. E sobrevivência é o objetivo maior da SOTAI. Diga-se de passagem, o “S” que aparece em seu nome significa exatamente isso: Sobrevivência.


6- Como você vê a questão da Defesa Pessoal e o FMA?

Como eu dizia na resposta anterior, visualizo a questão da Defesa Pessoal sob a ótica da Sobrevivência.Nas Artes Marciais Filipinas, já nas primeiras aulas, pelo menos no Arnis Maharlika, aprende-se que o ideal é evitar o confronto. Para praticantes de algumas modalidades, isso pode ser interpretado como um ato de covardia. Para nós, é estratégia de sobrevivência. Nunca subestimamos nossos inimigos.Depois, aprendemos que, em alguns casos, a melhor opção pode ser – literalmente – correr. E é preciso saber como fazer isso... Quantas vezes os mandirigmas (guerreiros filipinos) não precisaram fugir dos seus agressores e se esconder nas matas... Permanecendo vivos, podiam continuar protegendo suas famílias, suas tribos e a sua Terra!Contudo, se o confronto for inevitável, aprendemos também a lutar usando toda a “energia” do nosso corpo e do nosso espírito.Trata-se de uma verdadeira mentalidade de sobrevivência.Penso que esses princípios, forjados ao longo dos séculos pelos guerreiros filipinos, possam ser perfeitamente aplicados às atuais situações de Defesa Pessoal, guardadas, evidentemente, as devidas proporções.

7- Sobre o seu livro, de onde surgiu a idéia de escrever esse material?

Quando me tornei Tagapagsanay (instrutor de FMA), percebi que muitos Baguhans (alunos iniciantes) tinham dificuldades em assimilar termos e expressões em Tagalog (idioma falado nas Filipinas).Inicialmente, pensei em escrever um pequeno glossário, que seria divulgado apenas internamente, em nossa academia. Aos poucos a idéia foi tomando corpo. Acrescentei algumas posturas, os 12 ângulos de ataque, a história do Arnis Maharlika... E o glossário se transformou em um pequeno guia para os alunos iniciantes.

8- Qual a maior dificuldade no trabalho de escrever?

Tales, eu sou um perfeccionista por natureza. E isso é um problema. Eu nunca achava que o texto estava pronto... Certamente, se eu for ler o texto outra vez, vou continuar achando que ainda não está bom...

9- Hoje o livro se encontra disponível para download no site do Sotai. Há algum motivo maior para a disponibilização dessa maneira? Ainda é possível conseguir a versão impressa?

Quando o livro foi publicado, em 2008 pela editora Ícone, foi feita uma tiragem pequena, destinada apenas aos alunos da academia e mais alguns amigos.Depois, quando já estava esgotado, comecei a receber emails de praticantes de outras modalidades querendo comprá-lo. Como, na época, a Academia Magka-Isa estava sem um site oficial, decidi disponibilizá-lo gratuitamente para download no site da Sotai.No momento não é possível conseguir uma edição impressa desse livro, pelo fato de que ele está esgotado desde 2009. Mas estou planejando publicar uma segunda edição, revisada e ampliada. Os antigos Baguhans treinaram com afinco, e hoje seus golpes estão rápidos, potentes e precisos... Chegou a hora de avançarmos um pouco mais nesta seara.

10- Há planos para outros livros no futuro?

Sim. Tenho planos para mais dois livros. O assunto que será abordado por esses outros dois livros eu até já comentei aqui, em minhas respostas... Mas, por hora, isso é tudo o que posso dizer!

11- Muito obrigado pela entrevista! Você gostaria de deixar uma mensagem para os nossos leitores?

Gostaria sim.Deixo aos leitores um convite para que venham conhecer as Artes Marciais Filipinas. Existem academias em Brasília, no Rio, em São Paulo...Para os que não praticam nenhuma Arte Marcial, é uma excelente alternativa para começar a treinar.Para aqueles que já praticam alguma modalidade, trata-se de uma possibilidade única de complementação daquilo que já aprenderam, principalmente no que tange ao manejo de armas.Maraming Salamat!

13:09

Entrevista com o Guro Karl Greiner

Olá pessoal! Nossa entrevista de hoje é com o Guro Karl Greiner, aluno do Grand Tuhon Leo Gaje e responsável pela escola Pekiti Tirsia Kali no Brasil.

1- Olá Guru Karl, obrigado por aceitar o convite para o nosso blog. Você podería nos falar um pouco sobre você e o seu começo com as artes marciais?

Sim como, muita gente, quando criança pratiquei um pouco de judô mas um estudo mais sério começou mais tarde com a prática de Wing Chun kung Fu por alguns anos.

2- E seu início com as Artes Marciais Filipinas (FMA)? Como foi o seu início e o que despertou o seu interesse nessa modalidade?

Meu interesse pelas artes marciais filipinas surgiu naturalmente, uma vez que eu sempre gostei de facas e espadas. Por falta de opção, no começo eu pesquisei a em livros e revistas tudo o que eu encontrava sobre artes marciais filipinas. Como o interesse cresceu, eu comecei a comprar livros e DVDs para tentar compreender um pouco mais sobre essa arte marcial que tanto me interessava.

A partir de um certo momento comecei a contatar os representantes dos sistemas que me interessavam, o que culminou com a minha primeira viagem de treino aos EUA, onde pude treinar com alguns instrutores que despertaram meu respeito e interesse.

3- E sua aproximação com o Grand Tuhon Leo Gaje Jr.? Como foi a sua aproximação e início no Pekiti Tirsia Kali?

Nessa viagem ao EUA minha primeira parada foi no Texas onde conheci o Mandala Maginoo Tim Waid, com quem treinei e que foi quem me introduziu ao Grand Tuhon Leo Gaje, que estava no Texas nessa época.

Após alguns treinamentos Grand Tuhon Leo Gaje me disse: “se voce ficar aqui eu vou pessoalmente te treinar durante esse período”.

Percebi que era um proposta única e resolvi ficar treinando com Grand Tuhon Gaje.

4- Como foi começar o Pekiti Tirsia Brasil?

Após esse treinamento Grand Tuhon Gaje me aceitou como discípulo e me convidou a ir para as Filipinas onde me treinou no sistema e me preparou para ser instrutor de Pekiti-Tirsia e responsável pela promoção e divulgação do sistema no no Brasil.

O treinamento foi uma experiência incrível, foi um treinamento tradicional, à maneira filipina.

Quem conheceu e treinou com Grand Tuhon Gaje sabe do que estou falando.

5- Você considera um passo importante para o praticante de FMA conhecer a terra natal de sua arte? Por que?

Acredito que sim, ao menos uma vez, porque dessa forma o aluno ira ter uma real experiência da cultura filipina, e com isso entender melhor a sua arte.

6- Qual a sua visão do FMA hoje, se formos comparar o Brasil com o resto do mundo?

Bom FMA esta começando no Brasil, mas já vem sendo praticado no resto do mundo por vários anos, mas espero que venha crescer, desde que seja com qualidade. Acredito que com o tempo FMA ira se consolidar no Brasil assim como aconteceu ao redor do mundo.

7- Diferente de outras modalidades mais "centralizadas", o FMA hoje é composto por escolas isoladas. Algumas que se reconhecem. Outras que preferem o isolamento. Qual a sua opinião sobre o assunto?

Acredito que não seja diferente das outra artes marciais. FMA é relativamente nova no mundo ocidental se comparada com escolas chinesas, japonesas e coreanas.

Por exemplo existem hoje em dia diversas escolas, diversas federações e confederações e diversas linhagens propagando diferentes versões dos mesmos sistemas de artes japonesas, chinesas e coreanas. Isso é fato tanto para essas artes mais conhecidas aqui quanto para FMA. Como na cultura oriental em geral (Japão, China etc.) dentro da cultura e arte marcial filipina também é muito forte o respeito e reconhecimento devido ao seu Mestre e me parece que algumas vezes isso vem sendo deixado de lado.

8- Qual a sua opinião sobre a relação entre o FMA e auto-proteção e defesa pessoal?

A arte marcial filipina é uma arte baseada no uso de armas, que pode ser visto como um equalizador de forças. Se você for assaltado, agredido ou tentarem te matar, não será por uma pessoa mais fraca que você, ela será mais forte, estará com comparsas, ou armada, ou seja, não será um luta igual, na sua categoria de peso, altura ou idade, nem tampouco terá regras.

Portanto para sobreviver é provável que você necessite de um equalizador de forças.

Os sistemas, entretanto, filipinos também tem luta desarmada (pangamut) e luta de solo (Dumog), alem do uso de armas.

Portanto é muito efetivo para tanto defesa pessoal quanto auto-proteção.

9- Muito obrigado por suas respostas! Gostaria de deixar uma mensagem para os nossos leitores?

Obrigado pelo convite, e aconselho a todos a fazer um pesquisa séria sobre os sistemas filipinos que estudam, e com a mente aberta, para que com isso consigam cada vez mais aprender sobre a arte marcial filipina.

Quem tiver maiores duvidas a respeito de Pekiti-Tirsia Kali basta entrar em contato através do e-mail (contato@pekiti-tirsia.com.br) ou dos meios de contato disponibilizados em nosso site que responderei as perguntas assim que possível, com o maior prazer.