Notícias sobre Filipino Martial Arts no Brasil e no Mundo

Post Top Ad

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Entrevista com Herbert "Dada" Inocalla


Olá mestre Herbert Inocalla! Muito obrigado por ceder essa entrevista para o nosso blog! Antes de começarmos, você poderia nos falar qual o significado do nome da sua academia, Magka Isa?
Olá Tales. Isa em tagalog significa um, enquanto Magka é todos. Assim Magka Isa poderia ser traduzido em português como “todos por um” ou “todos em um”.
Bacana! Você poderia nos falar um pouco sobre o seu passado? O senhor é Filipino, não é mesmo?
Isso mesmo. Sou natural da cidade de Labo, na província de Camarines Norte, na ilha de Luzon, que fica na região norte das Filipinas. Nasci em uma família com outros 11 irmãos. Nossos irmãos mais velhos eram obcecados por artes marciais. Alguns treinavam Karate, outros Judo. Naquela época, o Arnis não tinha o mesmo brilho das lutas estrangeiras. Ele era visto por nós filipinos, a luta da rua, enquanto o que possuía maior encanto eram as lutas de ginásio, com faixas e kimonos. Era costume na minha família, aos finais de semana, todos os irmãos se juntarem para treinarmos técnicas mistas, juntando principalmente Karate, Judo e Arnis. Ainda hoje, mesmo com alguns dos irmãos já falecidos e outros morando em cantos distantes do mundo, nos reunimos de tempos em tempos para treinarmos.
O seu ingresso nas artes marciais então veio dessa sua ligação de família? Seus primeiros professores foram os seus irmãos?
Sim, porém desde cedo, bancado por meu irmão mais velho, eu trilhei o caminho oficial do KarateDo, treinando com o mestre filipino Orlando Gonzales.
Para você, como Filipino, como você enxerga o papel do FMA?
Hoje eu e meus irmãos ficamos felizes e empolgados com a expansão atual do FMA, a arte marcial filipina. Durante muito tempo, nós filipinos nos perdemos valorizando apenas artes importadas. Hoje temos o Arnis, Kali e a Escrima sendo reconhecidas inclusive como esporte nacional das Filipinas.
Falando sobre seu irmão Shishir, que teve a oportunidade de conhecer a família Presas e treinar o Modern Arnis ainda jovem, quando então abandonou tudo para se tornar Monge com o mestre Shri Shri Anandamurti. Como foi isso?
Ele [Shishir] não só gostava de artes marciais, como se sentiu tocado pelo conhecimento espiritual proporcionado pela prática da yoga. Ele então se tornou monge, e durante algum tempo viveu na Índia. Depois dessa experiência, passamos a exercitar a prática marcial sob a luz de um conhecimento transcendental, visando o fortalecimento de um ser completo, exercitando o físico, o mental e o espiritual. Dentro do ser humano, existem diversas facetas, que se não forem trabalhadas, de nada auxiliaram a mente. Do que adianta treinar apenas o lado físico, se você não tiver um preparo emocional? Temos de equilibrar todas essas facetas dentro do ser humano.
Essa então que seria a grande inovação do Arnis Maharlika/ Inocalla System, que seria unir o conhecimento do Modern Arnis, com essa bagagem de conhecimento que você e seu irmão trouxeram desse período como monges na Índia?
Precisamos buscar uma nova forma de edução para as pessoas. Ilustrando um exemplo, da mãe águia, que primeiro leva comida até a boca do filhote. Depois disso, ela ensina o seu filhote a voar, as vezes tendo de dar um empurrão nele para fora do ninho. Após isso, ela ensina ele a caçar sua própria comida. Caso ele não aprenda a voar e a caçar sua comida, ele se tornará comida de outros animais. Sempre há predadores. Com a arte marcial é a mesma coisa. Com o FMA podemos trabalhar para o desenvolvimento desse ser completo. Aqui aprendemos a ganhar determinação, coordenação motora, reflexo, firmeza, paciência, persistência, qualidades que todos temos mas que nem todos cultivam, perdendo tempo treinando apenas o lado material e esquecendo o espiritual.
Normalmente quando as pessoas olham para escolas que mesclam arte marcial e treinamento interior, espiritual e tal, pensam que encontrarão apenas exercícios que subjugam o lado físico. Em suma, pensam que será apenas ginástica. Você discorda disso?
Sim, o FMA que ensinamos possui uma dinâmica simples e adaptável, de modo que ele serve tanto para as pessoas fracas, e muito fracas, quanto para as pessoas fortes e as muito fortes. Ela inclusive é perfeita para defesa pessoal, pois é simples e eficiente, já que com pouco tempo de treino você já consegue esboçar uma ideia de como fazer para se defender. Nosso objetivo ao treinar o lado interno, não é esquecer o lado físico, e sim ensinar a pessoa como afrontar seus medos, sua falta de coordenação motora, preguiça... fraquezas mentais, inimigos internos que todos temos. Dessa maneira ajudamos até mesmo na prevenção, por exemplo, do stress, resultado da vida sedentária que acabamos levando nos dias de hoje.
Uma pergunta difícil, qual a relação que você vê entre o Brasil de hoje e as Filipinas?
Eu sempre digo que o Brasil é como as Filipinas, só que de maior tamanho. As Filipinas por sua vez são como o Brasil, só que diminuto. Olhando a história de ambos os países, vemos muitas semelhanças, não só na dominação européia, como também na luta dos povos nativos contra a discriminação, a pobreza e a falta de liberdade. Por essa semelhança, que eu acho que o FMA tem muito a colaborar com os brasileiros, que são mundialmente conhecidos pelo seu gosto pelas artes marciais.
Por fim, o que você achou do nosso blog?
Muito bom! O blog esta muito bom, aberto, o que eu acho que colabora mais para que as pessoas conheçam mais sobre arte marcial filipina no Brasil. Espero que o blog continue a crescer, pois ainda há muita riqueza a ser mostrada. É um conhecimento com o qual poderemos colaborar para um mundo melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário