Notícias sobre Filipino Martial Arts no Brasil e no Mundo

Post Top Ad

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Entrevista com Guro Djavan Oliveira


1- Olá! Obrigado por nos conceder esta entrevista. Você pode nos contar um pouco sobre seu começo com artes marciais?
Olá! Eu que agradeço pelo convite! Bom; minha paixão pelas artes marciais começou desde a infância; acredito que como a maioria dos meninos... assistindo os filmes do Bruce Lee, Jet Lee, Jackie Chan, etc. Aí quando eu tinha 16 anos fui com um amigo assistir uma aula de Taekwondo aqui em Canela; gostei e já fiz minha inscrição. Treinei por um bom tempo, mas tive que parar porque eu trabalhava durante o dia e estudava durante a noite. Mas sempre que eu podia treinava em casa o que eu havia aprendido isto era meados dos anos 2000. Meus treinos de verdade começaram no ano de 2010 quando meu grande amigo Gustavo Sartori iniciou uma turma de hapkido na cidade de Gramado, desde então não parei mais.


2- Sobre a FMA, como você conheceu esta modalidade? Como você começou e o que despertou seu interesse?
Conheci o FMA através do Mestre Alessandro Lucas Souza no ano de 2012. Todos os anos temos um capo de treinamento do hapkido chamado UM Yang Camp; onde professores de outras artes marciais são convidados para apresentar e ministrar suas aulas durante um fim de semana. Neste ano de 2012 o Guro Alessandro Lucas ministrou uma aula fantástica de uma arte chamada Arnis Kali; do qual nunca tinha ouvido falar, mas me interessei de imediato. Ao fim deste campo tive a honra de ser convidado para fazer parte de um seleto grupo de professores pioneiros que fariam o primeiro curso de instrutores de Arnis Kali aqui no RS.


3- O que você pensa sobre a integração do FMA com as demais modalidades que você pratica?
Excelente pergunta! Eu penso que é um complemento essencial para qualquer modalidade de arte marcial em vários aspectos: Melhora muito a coordenação motora; o fato de já começar o treinamento tendo uma arma na mão; o que no hapkido só começamos o treinamento já com uma graduação avançada; e o principal que é o aumento da visão periférica e a rapidez que desenvolvemos em enxergar o movimento do adversário já que um golpe com o Yantok (bastão), é 5x mais rápido que um golpe de mão vazia ou um chute.




4- O seu trabalho já foi tema em alguns jornais e publicações locais. Como foi a recepção da população das cidades onde você leciona ao FMA?
Sim ; procuro sempre divulgar na imprensa todo evento no qual participamos; sendo exames de faixa, campeonatos, seminários e aulas especiais com a presença de Guros de outras cidades e vindas de nosso Mestre. Também já concedi entrevistas ao vivo em rádios locais. Acredito ser importante este trabalho para alcançar um número maior de pessoas. Aproveito e uso os recortes dos jornais para montar um portfólio do meu trabalho, creio que traz credibilidade. A recepção foi boa na população, mas não tive o retorno que eu esperava. Serviu para que as pessoas da cidade e região soubessem que existe o FMA aqui, que temos um Guro federado. Mas a melhor forma de conseguirmos alunos ainda é o boca a boca.




5- Qual é a sua visão da FMA hoje no mundo?
Tenho uma visão bem positiva e promissora. Falando um pouco local ainda... Aqui no RS começamos um trabalho bem sério em 2012 e hoje em 2017 já formamos 20 faixas pretas, estes; professores e Mestres de outras artes como: Hapkido, Jiu jitsu, Muay Tay e Taekwondo. Recebemos a visita do GM Shirshir Inocalla que deixou o QG do Brasil nas mãos do nosso Guro Alessandro Lucas. Agora falando nacional e mundial; contamos com professores já no Canadá, China, Uruguai e Equador. Temos já o instrutor em treinamento Brito fazendo um trabalho muito bom no Ceará. Temos o apoio e confiança de vocês do RJ. Então já visualizo um futuro fantástico, até já posto no meu Facebook : " A arte que mais cresce no Brasil".




6- Qual a sua opinião sobre a relação entre as FMA e a defesa pessoal?

Como eu já havia comentado em uma pergunta anterior; penso que é um ótimo complemento para qualquer treinamento. O que não podemos é misturar e achar que é tudo a mesma coisa. Quando falamos em defesa pessoal, acredito na minha humilde opinião que já saímos um pouco da palavra Arte Marcial. Para que eu me torne um pouco mais claro; toda arte marcial tem a defesa pessoal, que ao contrário do que a maioria das pessoas pensa vai além do confronto. A defesa pessoal é em primeiro lugar como já diz o nome defender-se, manter a sua integridade física, sendo assim sabendo cair de forma correta, saber como se portar em lugares de risco, ter o controle emocional e psicológico para também evitar o confronto e por fim manter o corpo e a mente ativas para uma melhor qualidade de vida. Portanto o Arnis Kali tem todas estas qualidades e muito mais!





7- Muito obrigado pelas suas respostas! Gostaria de deixar uma mensagem para os nossos leitores
Eu é que agradeço por esta oportunidade! Foi uma grande honra ser convidado pelo Guro Tales para responder as perguntas.
A mensagem que eu gostaria de deixar para quem já treina o FMA é: Se você gosta, acredita que te faz bem, que tua qualidade de vida aumentou que é uma arte marcial completa! Convida um amigo para também esta oportunidade! " Não se acende uma lanterna e esconde dentro de um baú, usa para iluminar o caminho de alguém". E para quem ainda não treina, venha conhecer, assista uma aula, faça uma aula experimental, o Arnis é para qualquer pessoa! Tenho um excelente aluno hoje graduado faixa roxa, muito dedicado , talentoso e cadeirante! Mabuhay !


Nenhum comentário:

Postar um comentário