Notícias sobre Filipino Martial Arts no Brasil e no Mundo

Post Top Ad

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Entrevista com o Guro Karl Greiner

Olá pessoal! Nossa entrevista de hoje é com o Guro Karl Greiner, aluno do Grand Tuhon Leo Gaje e responsável pela escola Pekiti Tirsia Kali no Brasil.

1- Olá Guru Karl, obrigado por aceitar o convite para o nosso blog. Você podería nos falar um pouco sobre você e o seu começo com as artes marciais?

Sim como, muita gente, quando criança pratiquei um pouco de judô mas um estudo mais sério começou mais tarde com a prática de Wing Chun kung Fu por alguns anos.

2- E seu início com as Artes Marciais Filipinas (FMA)? Como foi o seu início e o que despertou o seu interesse nessa modalidade?

Meu interesse pelas artes marciais filipinas surgiu naturalmente, uma vez que eu sempre gostei de facas e espadas. Por falta de opção, no começo eu pesquisei a em livros e revistas tudo o que eu encontrava sobre artes marciais filipinas. Como o interesse cresceu, eu comecei a comprar livros e DVDs para tentar compreender um pouco mais sobre essa arte marcial que tanto me interessava.

A partir de um certo momento comecei a contatar os representantes dos sistemas que me interessavam, o que culminou com a minha primeira viagem de treino aos EUA, onde pude treinar com alguns instrutores que despertaram meu respeito e interesse.

3- E sua aproximação com o Grand Tuhon Leo Gaje Jr.? Como foi a sua aproximação e início no Pekiti Tirsia Kali?

Nessa viagem ao EUA minha primeira parada foi no Texas onde conheci o Mandala Maginoo Tim Waid, com quem treinei e que foi quem me introduziu ao Grand Tuhon Leo Gaje, que estava no Texas nessa época.

Após alguns treinamentos Grand Tuhon Leo Gaje me disse: “se voce ficar aqui eu vou pessoalmente te treinar durante esse período”.

Percebi que era um proposta única e resolvi ficar treinando com Grand Tuhon Gaje.

4- Como foi começar o Pekiti Tirsia Brasil?

Após esse treinamento Grand Tuhon Gaje me aceitou como discípulo e me convidou a ir para as Filipinas onde me treinou no sistema e me preparou para ser instrutor de Pekiti-Tirsia e responsável pela promoção e divulgação do sistema no no Brasil.

O treinamento foi uma experiência incrível, foi um treinamento tradicional, à maneira filipina.

Quem conheceu e treinou com Grand Tuhon Gaje sabe do que estou falando.

5- Você considera um passo importante para o praticante de FMA conhecer a terra natal de sua arte? Por que?

Acredito que sim, ao menos uma vez, porque dessa forma o aluno ira ter uma real experiência da cultura filipina, e com isso entender melhor a sua arte.

6- Qual a sua visão do FMA hoje, se formos comparar o Brasil com o resto do mundo?

Bom FMA esta começando no Brasil, mas já vem sendo praticado no resto do mundo por vários anos, mas espero que venha crescer, desde que seja com qualidade. Acredito que com o tempo FMA ira se consolidar no Brasil assim como aconteceu ao redor do mundo.

7- Diferente de outras modalidades mais "centralizadas", o FMA hoje é composto por escolas isoladas. Algumas que se reconhecem. Outras que preferem o isolamento. Qual a sua opinião sobre o assunto?

Acredito que não seja diferente das outra artes marciais. FMA é relativamente nova no mundo ocidental se comparada com escolas chinesas, japonesas e coreanas.

Por exemplo existem hoje em dia diversas escolas, diversas federações e confederações e diversas linhagens propagando diferentes versões dos mesmos sistemas de artes japonesas, chinesas e coreanas. Isso é fato tanto para essas artes mais conhecidas aqui quanto para FMA. Como na cultura oriental em geral (Japão, China etc.) dentro da cultura e arte marcial filipina também é muito forte o respeito e reconhecimento devido ao seu Mestre e me parece que algumas vezes isso vem sendo deixado de lado.

8- Qual a sua opinião sobre a relação entre o FMA e auto-proteção e defesa pessoal?

A arte marcial filipina é uma arte baseada no uso de armas, que pode ser visto como um equalizador de forças. Se você for assaltado, agredido ou tentarem te matar, não será por uma pessoa mais fraca que você, ela será mais forte, estará com comparsas, ou armada, ou seja, não será um luta igual, na sua categoria de peso, altura ou idade, nem tampouco terá regras.

Portanto para sobreviver é provável que você necessite de um equalizador de forças.

Os sistemas, entretanto, filipinos também tem luta desarmada (pangamut) e luta de solo (Dumog), alem do uso de armas.

Portanto é muito efetivo para tanto defesa pessoal quanto auto-proteção.

9- Muito obrigado por suas respostas! Gostaria de deixar uma mensagem para os nossos leitores?

Obrigado pelo convite, e aconselho a todos a fazer um pesquisa séria sobre os sistemas filipinos que estudam, e com a mente aberta, para que com isso consigam cada vez mais aprender sobre a arte marcial filipina.

Quem tiver maiores duvidas a respeito de Pekiti-Tirsia Kali basta entrar em contato através do e-mail (contato@pekiti-tirsia.com.br) ou dos meios de contato disponibilizados em nosso site que responderei as perguntas assim que possível, com o maior prazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário